terça-feira, 28 de junho de 2011

“Consciência”

Em cada engano, um desencanto,
A cada pranto, uma lagrima, em
Cada noite um sonho, a cada

Despertar um espanto, em cada
Abraço, um afago, eu, tua alegria,
O meu sorriso, em teu pranto o

Meu desespero, em teu sono a.
Minha paz, em teus braços eu
Abraço-me, em teus medos, eu

Disfarço em meus segredos, você
Sobrevive, há! Minha eterna
Consciência.



2 comentários:

  1. Bastante profundo seu poema, parabéns.

    ResponderExcluir
  2. eliane denise panosso11 de novembro de 2011 18:01

    É melhor vivermos de sonhos do que ficarmos pensando no que deixamos de viver.Os sonhos se tornam possiveis na medida que colocarmos energia neles.

    ResponderExcluir

Agradeço por iluminar este espaço como um Dia de Verão!